1- Quando você começou a escrever?

2- Alguns escritores são bastante excêntricos no ato de escrever, você também é assim?

3- Quais são os seus poetas preferidos?

4- Qual é o tipo de literatura que você gosta?

5- Eu li o seu livro O Quintal Iluminado, onde você fala sobre sua convivência com a depressão, como você está agora?

6- Você está escrevendo um livro no momento?

7- Em seu livro, O Quintal Iluminado, você fala de sua carreira como atriz, Você pretende voltar a atuar?

8- Eu soube que você não gosta que as pessoas façam perguntas de ordem pessoal, é verdade? Por quê?

9- É verdade que você não tem religião?

10- Você se considera uma pessoa feliz?

11- Eu li no seu livro que você segue uma disciplina rígida quanto à alimentação, exercícios físicos, sono, etc, Como você consegue viver assim?

12- O que você mais gosta de fazer quando está de folga?

13- Você pretende continuar morando em São Lourenço?

14- Sua família sempre apoiou você na sua escolha profissional?

15- No seu livro você defende os remédios controlados, ainda toma esse tipo de medicamento?

16- Qual a orientação que você daria para alguém se tornar um escritor?

17- O que você mais gosta de fazer além de escrever?

18- Como você conseguiu ser contratada por uma editora?

19- Você responde a todos os e-mails que recebe?

20- Eu soube que você é tímida e foge de entrevistas, é verdade?

21- Qual é a frase que define a sua pessoa?

22- Você acredita que tem alguma missão?

23- Tudo que você escreve é o que sente ou viveu?

24- Por que você não gosta de aparecer e só gosta de trabalhar nos bastidores?

25- Você ficou muito tempo sem produzir nenhum livro e sem fazer lançamentos, o que houve?

26- Fiquei sabendo que você tem heterônimos? Procede?

27- Voce se rendeu ao facebook?

28- Por que você saiu da Editora Magia das Letras?

29- Quais são seus projetos daqui para frente?

30- O que foi que houve que o seu site, blog e Loja virtual sairam do ar intempestivamente?

 

1- Quando você começou a escrever?
Sempre me conheci escrevendo, mas aos doze anos escrevi um livro de contos em um caderno escolar, que infelizmente se perdeu. Considero essa a minha primeira experiência com a escrita.

2- Alguns escritores são bastante excêntricos no ato de escrever, você também é assim?
Não me considero excêntrica, mas preciso de certa organização para escrever. Dirijo-me ao meu escritório, as tarefas e afazeres domésticos precisam estar sem pendências e o escritório absolutamente limpo, organizado, arrumado e iluminado.

3- Quais são os seus poetas preferidos?
Um escritor precisa ler muito, e com isso tem a oportunidade de conhecer vários autores. Eu precisaria ler mais, me cobro muito isso, mas nem sempre é possível. A cada momento ou fase, cabe um poeta, ou um poema. Aprecio Florbela Espanca, Cecília Meireles, Baudelaire, Rilke, Walt Whitman entre muitos outros. Se possível fosse, escolheria alguns poemas de cada poeta e construiria o meu poeta predileto.

4- Qual é o tipo de literatura que você gosta?
Nos últimos anos, fui me aprofundando mais em leituras ligadas à espiritualidade e à psicologia, como pesquisa para meu trabalho. Mais sou bastante versátil na minha apreciação literária.

5- Eu li o seu livro O Quintal Iluminado, onde você fala sobre sua convivência com a depressão, como você está agora?
Estou bem, porque cada vez mais aprendo a me respeitar, reconhecendo que não tenho uma personalidade igual à maioria, ao mesmo tempo em que diminuo a minha ansiedade em relação às cobranças externas.

6- Você está escrevendo um livro no momento?
Continuo com o exercício diário de escrever, pois tenho sempre vários projetos.

7- Em seu livro, O Quintal Iluminado, você fala de sua carreira como atriz, Você pretende voltar a atuar?
Sim, pois atuar sempre foi uma grande realização para mim. Na realidade eu nunca soube onde termina a atriz e começa a escritora. Ambas são faces de mim mesma, e se eu não atuasse, creio que perderia uma parte essencial minha.

8- Eu soube que você não gosta que as pessoas façam perguntas de ordem pessoal, é verdade? Por quê?
Claro que sim! Existem particularidades na vida de profissionais que lidam com o público que não devem ser invadidas. Não é porque o escritor expõe o seu trabalho para o mundo, que sua vida privada também precisa ser assim. Desagrada-me muitíssimo alguém ultrapassar esse limite sem minha permissão.

9- É verdade que você não tem religião?
Eu costumo dizer e sentir que a minha religião é a busca pela Unidade, pelo Amor e pelo Autoconhecimento. Mas isso não quer dizer que as pessoas não devam ter um direcionamento espiritual. Acredito que cada um deve procurar se encontrar e evoluir espiritualmente. Todo e qualquer  caminho que nos leva a Deus é válido.

10- Você se considera uma pessoa feliz?
Quando eu compreendi emocionalmente, não intelectualmente, que a vida é feita de altos e baixos e que essa “gangorra” é o que nos dá a dimensão exata de que viver em permanente estado de graça é uma utopia, aprendi então a aceitar com mais tranqüilidade, os conflitos em geral, e pude finalmente aquietar um pouco mais a minha alma atormentada.

11- Eu li no seu livro que você segue uma disciplina rígida quanto à alimentação, exercícios físicos, sono, etc, Como você consegue viver assim?
Vivendo e bem. Se você ou alguém tivesse vivido, assim como eu, à beira de um abismo por quase toda uma vida e tivesse descoberto alternativas para poder se libertar, certamente as usaria para ser mais feliz. Além do que toda rotina pode ser bastante prazerosa. O meu dia-a-dia é bastante criativo e isso me dá o suporte necessário para poder ter essa disciplina que não me onera em absolutamente nada diante do equilíbrio que venho conseguindo a cada dia. Eu descobri um sentimento muito valioso: a gente só descobre a força que tem quando decide usá-la. Isso não quer dizer que de vez em quando eu não saia dessa rotina.

12- O que você mais gosta de fazer quando está de folga?
Eu gosto muito de cinema; é uma linguagem que me toca intensamente. Vejo muitos filmes, leio bastante, contemplo a natureza e adoro conversar com os amigos sobre coisas variadas.

13- Você pretende continuar morando em São Lourenço?
Sim. Aqui tenho tudo o que preciso e valorizo, inclusive a possibilidade de sair e de voltar quando eu quiser e isso é muito importante para mim.

14- Sua família sempre apoiou você na sua escolha profissional?
Não. Minha mãe sempre quis que eu me formasse em uma "profissão rentável financeiramente"; acho que é uma preocupação normal entre os pais em geral, mas hoje ela respeita essa escolha e acredito que isso é o que mais conta.

15- No seu livro você defende os remédios controlados, ainda toma esse tipo de medicamento?
Acho que não foi o meu livro que você leu! Eu não acuso e nem defendo nada absolutamente; apenas creio honestamente e experiencialmente que buscar ajuda adequada, com o profissional apropriado e o medicamento certo é um ato de coragem e inteligência. Não! Eu não faço uso desses remédios desde fevereiro de 2000.

16- Qual a orientação que você daria para alguém se tornar um escritor?
Primeiro, descobrir se é esta a sua verdadeira vocação. Depois, estudar, estudar e estudar. Outra coisa importante é exercitar a escrita e ler muito porque a leitura, além de ser uma excelente companhia, é também uma grande oportunidade de nos tornarmos melhores e mais conscientes.

17- O que você mais gosta de fazer além de escrever?
Gosto muito de viajar, conhecer novos lugares e gente nova. Gosto muito de ler, de ver bons  filmes, de receber e conversar com meus amigos, de criar alguns pratos culinários, de pintar telas, de ouvir música (principalmente clássica e MPB.). Adoro fazer restauração em móveis antigos, gosto de dormir, de ter, sempre, projetos engatilhados, de contemplar a natureza, de fazer psicoterapia. Chega! Senão vou ficar aqui até amanhã enumerando tudo que gosto de fazer porque gosto de muitas coisas, mas principalmente de criar e meditar.

18- Como você conseguiu ser contratada por uma editora?
A primeira editora que tive se chamava “Sol & Lua” e foi aberta por mim. Lembro-me de que passei situações bem difíceis para mantê-la. Mas quando somos muito jovens temos vigor e esperanças e eu acreditei no meu sonho. Depois de algum tempo e com minha saúde debilitada acabei encerrando a mesma. Mas não me arrependo porque descobrir que o que eu gosto mesmo é de criar. Essa primeira editora me exigia muita dedicação e acabava tirando o tempo que eu poderia dedicar às minhas pesquisas e ao meu trabalho de escritora. De qualquer forma foi o pontapé inicial para que eu pudesse perceber qual era o meu verdadeiro caminho.

19- Você responde a todos os e-mails que recebe?
Claro! Tenho o maior prazer em responder às pessoas que me escrevem. Acho essa troca super importante.

20- Eu soube que você é tímida e foge de entrevistas, é verdade?
Infelizmente sim. Tenho melhorado muito, mas ainda estou longe do que pretendo. Com o meu histórico é muito complicado vencer tantas barreiras ao mesmo tempo, mas aprendo a cada dia que a melhor solução é sempre compreender os meus limites e principalmente respeitá-los.

21- Qual é a frase que define a sua pessoa?
São duas as frases que acredito que nos levam longe, inclusive são essas as frases que usei para as vinhetas do meu canal: Seu sonho, seu maior compromisso! e a outra é: A Unidade traz a Força! 

22- Você acredita que tem alguma missão?
Sim. A de me tornar inteira e disso eu não abro mão. Tenho certeza que estou aqui para não desistir.

23-Tudo que você escreve é o que sente ou viveu?
Muito pertinente esta pergunta, obrigada por fazê-la. Tudo que escrevo é sentimento, mas não necessariamente o meu. O poeta observa e percebe com sua sensibilidade a emoção de cada coisa a seu redor e a transcreve para seus escritos. Em “Outros Olhares”, por exemplo, existem muitos poemas que foram encomendados por amigos e familiares. Como atriz entro na história e “ouço” a emoção da pessoa utilizando um recurso, chamado em teatro de memória emotiva, e vou descrevendo suas dores ou suas paixões de forma poética.

24-Por que você não gosta de aparecer e só gosta de trabalhar nos bastidores?
Não é bem assim. O importante é expor o meu trabalho e tudo que diz respeito a ele. Ultimamente não tenho medido esforços para que isso possa acontecer. O que precisa ficar claro é que o trabalho do escritor, assim como o do pintor, escultor, etc., é muito solitário e se faz necessário um certo recolhimento, mas gosto do contato com os leitores seja em lançamentos, ou dias de autógrafos, etc. Aprecio bastante tocá-los e ouvi-los. Essa troca de energia é muito importante para mim , inclusive é um feedback necessário, no entanto, prefiro manter minha privacidade. A minha intimidade não tem nenhum glamour e nada de especial que necessite ser revelada. Sempre fui na contramão daqueles que buscam a celebridade. Quero sim, ser reconhecida pelo meu trabalho.

25-Você ficou muito tempo sem produzir nenhum livro e sem fazer lançamentos, o que houve?
Estive muito doente, como narro no livro “O Quintal Iluminado” , mas depois de recuperada retornei com força total e principalmente com consciência daquilo que é o meu papel.

26-Fiquei sabendo que você tem heterônimos? Procede?
Sim. Essa foi uma alternativa que aprendi a utilizar para dar vazão à minha criatividade em outras áreas de que gosto muito, afinal, meu grande inspirador sempre foi Fernando Pessoa.

27-Você se rendeu ao facebook?
Não gosto muito dessa frase... sempre procuro escolher algo que faça bem a mim e aos outros. Eu realmente tinha uma certa resistência a redes sociais porque sou avessa a exposição da minha vida particular, mas depois de trocar idéias com outras pessoas percebi que não poderia ficar distante de tão importante ferramenta de divulgação. O contato com um público diferente é estimulante e inquietante para quem trabalha só.

28- Por que você saiu da Editora Magia das Letras?
Eu quero fazer um trabalho independente, no meu tempo e uma editora tem seus compromissos, não tendo condições de ficar à mercê de minha agenda, assim sendo, fizemos um acordo que foi bom para as duas partes, assim mantivemos o respeito, a consideração e a amizade.

29- Quais são seus projetos daqui para frente?
Bem, quanto a maioria dos meus projetos prefiro manter em segredo, mas posso garantir que serão interessantes e criativos.

30- O que foi que houve que o seu site, blog e Loja virtual saíram do ar intempestivamente?
Como todos sabemos a internet ainda é muito vulnerável quanto à segurança. Infelizmente o meu site foi invadido por uma infinidade de vírus, se estendendo a newsletter e criando uma situação de constrangimento e risco para os leitores. Por esse motivo tive que retirá-lo do ar rapidamente e providenciar um novo site com outro webdesigner e com maior preocupação de segurança.

Siga minha Fanpage

Produto Recomendado